MONTEPIO GERAL

Montepio Carimbo comemorativo De 1994.03.01 a 1994.05.30 (semelhante ao carimbo de 1º dia)

emissão com pagela anunciadora. Carimbos comemorativos com noticiário filatélico. CC usado num total de 35 localidades, incluindo também na Figueira da Foz. fonte: Pagelas dos selos portugueses de Matoso Geada Sousa.


Flâmula De 1990.09.01 a 1990.11.29
150 Anos do Montepio Geral
imagens/flam_1990_montepio_150anos.jpg

1994.03.01 1994.05.30
Montepio Geral
imagens/flam_1994_montepio_150anos.jpg


  • O movimento mutualista em Portugal conheceu, a partir de meados do século passado, um impulso fundamental com a criação do Montepio Geral - Associação Mutualista

    A Associação Mutualista foi então designada "Montepio dos Empregados Públicos" e iniciou as suas actividades no dia 4 de Outubro de 1840, na casa do Presidente da Direcção. Em Janeiro de 1844, aprovada a reforma dos estatutos, foi outorgado à associação o nome de MONTEPIO GERAL, que ainda hoje se orgulha de possuir.

    Francisco Manuel álvares Botelho, ex-professor do Colégio dos Nobres e funcionário da Fazenda Pública, foi o fundador da Associação Mutualista. Ele foi um percursor e ideólogo de um sistema de segurança social, incipiente ainda, mas que, face à inexistência de quaisquer esquemas de Previdência Social assegurados pelo Estado, garantia o apoio aos Associados e seus familiares, nomeadamente, em situação de doença, invalidez, viuvez e orfandade.

    O lema adoptado pela Associação Mutualista é bem revelador dos objectivos que lhe estavam subjacentes: "PROTEGER O HOMEM NA INTEGRIDADE DO SEU DESENVOLVIMENTO, COMO SER HUMANO E SOCIAL".

    A necessidade de reforçar os meios da Associação Mutualista e tornar mais eficaz a sua acção, aliada à ideia de promover a captação das pequenas poupanças e de realizar operações de crédito, levou à criação da Caixa Económica de Lisboa, em 24 de Março de 1844, com sede na Rua da Oliveira ao Carmo, em plena Baixa Pombalina. O horário de funcionamento restringia-se às manhãs de domingo, das 10 às 13 horas, para aproveitar as folgas dos Associados.

    Apesar de, na sua origem, estarem os condicionalismos de uma época em que o sistema bancário não era suficientemente articulado e disciplinado, rapidamente a Caixa Económica adquiriu a confiança e o respeito dos pequenos aforradores, obtendo uma grande adesão e entusiasmo por parte dos seus depositantes.

    A Caixa Económica foi estendendo a sua influência a todo o paÍs, com a abertura de balcões em évora, Faro, Coimbra, Viseu, Bragança, Setúbal e Beja, entre outras cidades e alargou as suas actividades à área do financiamento à construção e à aquisição de habitação, domÍnios em que mantém grande tradição e significativa quota de mercado.

     

    COIMBRA - CELAS LG. DA CRUZ DE CELAS - EDIFÍCIO CRUZEIRO 3000 COIMBRA 239482625 239484554

    Página Principal | Atividades | Links

    Copyright © 1999-2017 J. Cura, Secção Filatélica da AAC - Portugal
    TODOS OS DIREITOS RESERVADOS.

    [Voltar]
    Última atualização: 16/04/2014