Fado

 

 cc
«O fado de Coimbra é uma canção tipicamente portuguesa, que surgiu em Coimbra, na sua secular Academia.
Segundo Francisco Faria, trata-se de "uma canção terna, docemente saudosista, mas jovem no seu vigor, no idealismo das atitudes, na esperança de um amor realizável que se oferece, ao mesmo tempo espontâneo e elaborado, de melodia bem contornada e simultaneamente um pouco rebuscada." 

"Sobre a sua origem muito haveria a dizer e muito se tem dito. Há hipóteses que indicam que o fado descende de melodias árabes, outros afirmam que de melodias Africanas e até há quem o identifique como sendo descendente de antigas canções Brasileiras. 

O fado de Coimbra é normalmente caracterizado por uma relativa sobriedade, que permite caracterizar e distinguir determinada melodia de outra. A guitarra é o instrumento tÍpico para tocar o fado, é ela, que, com os seus acordes, personaliza cada tipo de fado, acordes esses que são secundados pela viola que acompanha a melodia executada pelo guitarrista. A guitarra de Coimbra, pela sua estrutura e configuração, é um instrumento do qual se obtêm acordes completos, que só por si caracterizam de uma maneira muito especial a música Coimbrã, e para isso contribui, a colocação das cordas ligeiramente altas em relação aos "trastos", e metidas em toda a estrutura do instrumento, caracterÍsticas estas, que, só por si, chegam para imprimir um cunho muito especial ao Fado de Coimbra".

                                            (in revista "Semana Académica" - Coimbra - 1979)

 

Quando se fala no fado de Coimbra, a ideia de estudante está implícita, pois eram e são eles, salvo raras excepções que o cantam e tocam. 

"é inegável que o fado de Coimbra sempre teve uma ligação muito estreita com a Academia, fazendo, mesmo parte integrante de quase todas as manifestações de Índole estudantil, como por exemplo a Queima das Fitas. 

é de igual modo inegável que foram os estudantes os responsáveis pela evolução até aos nossos dias do fado Coimbrão; foram eles, pois, que lhe deram a sua actual forma, transpondo, para aÍ, situações ligadas à vida estudantil e tendo, por vezes, o próprio fado, a vida académica como tÍtulo. 

Mais do que simplesmente regional, o fado de Coimbra tem sido um digno representante da nossa cultura onde quer que tenha sido tocado, levando a todos os cantos do Mundo um pouco da maneira de ser e sentir das gentes de Portugal. 

O fado de Coimbra, de quem as noites da Velha Alta conheceram vozes inconfundÍveis ecoando e repercutindo por vielas, recantos e escadinhas penetrando por arcos e silenciosas janelas, é sem dúvida uma das mais expressivas manifestações artÍsticas e culturais da gente de Coimbra e de Portugal. 

Esta Academia tem responsabilidades, pois foi ela que, ao longo de gerações, o criou e desenvolveu." 

                                         (in revista "Semana Académica" - Coimbra-79)

 

O Fado de Coimbra tem um passado, um presente e terá com toda a certeza um futuro, pois os estudantes não perderam as cordas vocais, o senso poético ou o jeito musical para que o Fado de Coimbra deixe de ser cantado, escrito e tocado. »   

(in Código da Praxe Académica de Coimbra, 1993)

Um dos principais cantores da música de Coimbra foi o fadista Augusto Hilário.


ip

Maria Teresa de Noronha foi a primeira mulher a cantar o fado de Coimbra (o Fado Hilário)

emissão: Fado, 2011/10/03

 

Ver Fadista Hilário 
Ver Álvaro Cabral
Ver guitarra de Coimbra


Página Principal | Atividades | Coimbra | Links

Copyright © 1999-2017 J. Cura, Secção Filatélica da AAC - Portugal
TODOS OS DIREITOS RESERVADOS.

[Voltar]
Última atualização: 05/05/2017