Luis Vaz de Camões

Luis Vaz de Camões, referenciado como o maior Poeta da LÍngua Portuguesa. Julga-se que terá nascido em 1525 e faleceu em Lisboa no ano de 1580. A sua vida permanece repleta de incertezas e vazios: da data e local de nascimento, à condição social e formação académica. 

Supõe-se que terá pertencido à pequena nobreza e que terá estudado em Coimbra. 

Em Coimbra onde ele estacionou, se é que não nasceu, conheceu ainda o tio avô, aquele segundo João de Vaz de Vila Franca, pai de um outro Simão Vaz, do tio crúzio D. Bento de Camões e ainda D. Isabel Tavares, filha do segundo matrimónio, por ventura, acreditou na tradição dos amores com uma prima (ms. de João Pinto Ribeiro), a menina de olhos verdes, a belisa ou a sibela dos seus versos.

Luis de Camões cursou a universidade cerca de 1540. Pouco tempo depois em 1550 encontramo-lo em Lisboa numa vida de extravagância e vadiagem, que acabou com a sua prisão em resultado de uma disputa à mão armada, de onde saiu gravemente ferido um empregado do paço.

Frequentou a corte; combateu em Ceuta ( onde veio a perder um dos olhos ); levou vida boémia em Lisboa ( o que o levou à prisão por agressão a um funcionário da corte ); passou por Goa; foi soldado; desempenhou na China o cargo de provedor dos defuntos e ausentes; naufragou no Toquim e esteve preso em Goa no ano de 1560.  

Em 1567, Diogo de Couto refere-o na ilha de Moçambique, onde vivia da caridade de amigos. Regressado a Lisboa, publicou "Os LusÍadas", tendo-lhe então sido concedida por D.Sebastião, uma tença anual de 15000 réis, em atenção aos poemas e serviços prestados na Índia.

Públicou os LusÍadas em 1572 e obteve pelo poema e pelos serviços pretados na Índia uma pensão em, remuneração de serviços de 15000 réis anuais, que não conseguiu libertá-lo da miséria.

Dos amigos com quem conviveu, um único, já depois de morto o poeta inscreveu o seu nome numa obra dirigida à posterioridade. Foi ele Diogo de Couto, na VIII década da Índia.

Dos que em vida recolheram composições suas, qualquer nota com que o padre Pedro Ribeiro, da sua convivência no Oriente, tivesse acompanhado as que inseriu no seu Cancioneiro, desapareceu com este, de que só nos resta o Índice, publicado por D. Carolina Michãelis; e Luis Franco Correia contenta-se de dizer, relativamente à comédia Filodema, que foi « por Luis de Camões representada na Índia a Francisco de Barreto ».

Além de Os LusÍadas, preparou um volume de obras lÍricas, sob o tÍtulo «Parnaso Lusitano», que se perdeu.

Acabará por falecer em 10 de Junho de 1579.

 

CC's: 10/6/96; 1/11/83 Alenquer; 14/11/80 Porto; 1/12/80 Leiria; 3/11/2000 Lisboa

imagens/selo_pt_2010_teatro_luis_camoes.jpg


IP Conheça a sua poesia - Lusíadas. Coleção de sócio

ip
Fonte: Delcampe.net


IP Conheça a sua poesia nº 17 - Lusíadas. Fonte: Delcampe.net e http://filateliatematica.com.sapo.pt/tematicas_filatelicas_poetas.htm


IP Conheça a sua histórianº 49. "Luís de Camões e o rei Dom Sebastião". Imagem da Internet e Leilões P. Dias

4º Centenário do Nascimento de Luís Vaz de Camões

Macau:

«Eis aqui as novas partes do Oriente
Que vós outros agora ao mundo dais,
Abrindo a porta ao vasto mar patente,
Que com tão forte peito navegais.
Mas é também razão que, no Ponente
Dum Lusitano um feito inda vejais,
Que, de seu Rei mostrando-se agravado,
Caminho há-de fazer nunca cuidado.

Canto X, CXXXVIII

 


1981


CC 26/09/1980 de Cascais "I Mostra Filatélica Turismo - Costa do Estoril 80". Estátua de Camões, em pedra, existente no Largo Luís de Camões em Cascais.


cc


"Por mares nunca dantes navegados"

india c1dia
imagens/flam_cbr_lusiadas_19720614.jpg


Postal Máximo. Fonte: http://cavacosdascaldas.blogspot.pt/2013/02/escritores-em-portugueses-selos.html

pm
Fonte: Delcampe.net

Série Relações Diplomáticas: Brasil-Sérvia, 2011. Imagem da autora Rachel de Queiroz. No canto inferior direito, encontram-se a representação da assinatura da autora e um diploma em referência ao Prémio Camões, destinado a autores de língua portuguesa, recebido por Rachel em 1993.



---

Portaria 214/72 de 19-04-1972: Manda o Governo da República Portuguesa, pelo Ministro do Ultramar, que, nos termos do artigo 2.º do Decreto 37050, de 8 de Setembro de 1948, sejam emitidos e postos em circulação nas províncias ultramarinas, selos postais comemorativos do 4.º centenário de Os Lusíadas, reproduzindo motivos alusivos ao acontecimento, com as dimensões de 40 mm x 30 mm, nas quantidades, taxas e cores seguintes: [...]


cfp
revista Boletim do CFP com os CC da Lisboa 2000, incluindo um dedicado a Camões

 

Página Principal | Atividades | Links

Copyright © 1999-2017 J. Cura, Secção Filatélica da AAC - Portugal
TODOS OS DIREITOS RESERVADOS.

[Voltar]
Última atualização: 06/12/2016