A IMPORTÂNCIA FILATéLICA DOS CARIMBOS 
COMEMORATIVOS - O CASO PARTICULAR DAS
CARTAS REGISTADAS

António João Bracons Carneiro



1. A Importância da Marcofilia Comemorativa

Os carimbos comemorativos desempenham um importante papel na Filatelia, pois complementam os aspectos representados nos selos, sendo um elemento precioso para a Maximafilia, pois permitem a realização de postais máximos triplos, alargando a sua realização para além dos carimbos de 1º dia (em si , carimbos comemorativos) e das marcas-de-dia; ou apresentam novos aspectos ou eventos não cobertos pelos selos, tornando-se desta forma, como na anteriormente referida, de interesse para uma colecção temática.
Neste artigo pretendemos referir-nos especialmente ŕ importância que possuem para as colecções Tematicas e analisar os diversos tipos de peças que se podem obter. Destacaremos de modo especial as cartas Registadas.
Apesar de não obterem, no geral, grande valor em termos comerciais, se compararmos com outras espécies, são no geral peças bastante mais raras, por serem realizadas em relativamente pequena quantidade. O facto de não atingirem preços elevados dever-se-á a não entrarem na especulação comercial, por a maior parte dos comerciantes não as possuÍrem. São pois, difÍceis de encontrar, estando disponÍveis apenas nalguns comerciantes e núcleos (o caso do nosso Clube de Coleccionadores de Carimbos Comemorativos) ou, eventualmente, na entidade organizadora, o que nem sempre é fácil de localizar. Falamos, naturalmente, de carimbos procurados ŕ-posteriori, algum tempo após o seu funcionamento, mais especialmente se realizados no estrangeiro. O facto de não ser fácil encontrar catálogos destas peças, torna-as mais difÍceis, porque mais desconhecidas, o que as leva a valorizar as colecções em que se inserem. 

2. Peças Diversas

Mas quais são destes carimbos os que interessam?
Não nos estamos a referir ao carimbo em si, esse será outro assunto - o que é um bom carimbo ou um carimbo interessante e o que é um mau carimbo ou sem interesse - mas, que "peça" interessa? (Salvaguardamos que nos referimos a peças para uma colecção que se destina a ser exposta e, portanto, sujeita a regras de análise e de pontuação e não a uma colecção pessoal, feita ao gosto de quem as faz e sem a preocupação de vir a concorrer em salões ou exposições).
O carimbo é, antes de mais, um elemento obliterador, destinado a marcar a correspondência de determinado posto de correio ou estação, com determinada data. Assim, o carimbo é aposto sobre o selo, numa capa de carta ou num inteiro, formando uma peça, a qual pode ser exposta. Eventualmente, poderá ter interesse um fragmento. Naturalmente, o selo deverá ter taxa de porte.
Vamos analisar vários casos possÍveis. 
Filatelicamente o que interessa é a peça, enquanto elemento de correio: a base é secundária e desprovida de interesse se não tem em si qualquer elemento de "correio", isto é, filatélico. Quero dizer, um sobrescrito comemorativo não tem qualquer valor se serve apenas de base ao carimbo, se não constitui capa que tenha circulado e faça prova de tal.
Assim, se tenho apenas um carimbo sobre um selo, interessa apresentar apenas essa parte, abrindo uma janela na folha, a fim de não danificar a peça. Por outro lado, se tenho uma carta que de alguma forma confirma ter circulado ou um inteiro postal, apresento a peça integral.
Como confirma uma peça que circulou?
Uma marca de "Desconhecido" ou de Posta Restante, com carimbo de chegada, poderão ter interesse. Mas o meio mais coreecto é o Registo. é ela que, filatelicamente faz universalmente prova de circulação. 

3. A Carta Registada

Analisemos a carta Registada. é uma peça, composta por:
- selos no montante da taxa de porte, eventualmente mais. No entanto tem especial interesse o porte correcto. Saliente-se que filatélicamente tem cada vez mais interesse a peça "natural", quero dizer, não obtida por favor ou fabricada especialmente. Naturalmente se houver um ou mais selos que se liguem ao motivo do carimbo, enquanto completa a taxa, terão interesse. A taxa de porte será formada pelo porte da carta (1º, 2º escalão ou outro, tendo em atenção o destino), taxa de Registo e taxas adicionais, devidamente assinaladas (correio azul, aviso de recepção, etc) ;
- carimbo comemorativo que oblitera os selos. Deve ser bem batido, uniforme. Os selos devem ser em quantidade tal que permitam apôr o carimbo por fora a apanhar o envelope, sem que este esconda as taxas ou outros dados de interesse e deixar o carimbo visÍvel. Se possÍvel, deve ainda ser colocado o carimbo "para leitura", isto é, sobre o envelope, sem apanhar qualquer selo;
- etiqueta de registo, que identifica o registo: estação e número. A etiqueta deve ser validada com
- marca de dia da Estação que faz o Posto, (sobre a etiqueta de registo) com a data de funcionamento do Posto, confirmando ter sido nessa data realizado o Registo.
- destinatário e (eventualmente) remetente;
- outros elementos adicionais (marca de "correio azul" ou Aviso de Recepção, etc);
- a marca-de-dia da chegada, no verso, que comprova que a peça circulou e, mais ainda, informa do tempo gasto no transporte da correspondência (normalmente, porque é registada, 1 ou 2 dias).

4. Dois Pontos SensÍveis de Uma Carta Registada

Analisemos dois dos que me parecem ser os principais problemas das cartas registadas com carimbos comemorativos: a etiqueta de registo e a efectiva data da sua realização.
Defendo que sendo o Posto de Correio Temporário, deverão ser etiquetas próprias daquele Posto e não as da Estação de Correios que sede o apoio logÍstico ao Posto. Mesmo no caso de funcionar em Estação, sou de opinião que deverão ser etiquetas próprias do Posto.
Várias razões: a carta em questão é uma peça filatélica e, portanto, de valor "ad eternum". As Estações de Correio actualmente utilizam etiquetas impressas em papel térmico, as quais perdem a impressão ao fim de poucas semanas se expostas ŕ luz (tempo mais reduzido, se apanhar sol), ou poucos anos, ainda que protegido. Isto não está conforme ao interesse filatélico da carta. Por outro lado, sendo um Posto independente da Estação, deve ter numeração independente daquela.
Uma outra razão prende-se com problemas de logÍstica: por vezes, devido a muito trabalho do Posto ou por ser fim-de-semana, não é possÍvel fazer o Registo no próprio dia do carimbo, a etiqueta de registo da máquina, vai ter data diferente, o que não é admissÍvel, ainda que "contradita" pela marca-de-dia, mas confirmada pelo carimbo de chegada (especialmente grave se o atraso é grande). Este irá sempre informar o tempo que a peça levou a chegar… e que, naturalmente, não poderá ser mais que escassos dias.
Naturalmente que este procedimento não tem como fim desculpar a incúria do funcionário responsável pelo posto. E sobre este ponto, gostaria de apresentar duas situações…
Uma, o carimbo comemorativo do Brasão de Bragança, de 96/09/24: depositei um pedido em 96/09/19, 2ª feira, em Odivelas, que chegou ao destino em 96/09/27, uma semana depois!!! O Chefe da Estação devolveu a peça carimbada com a nota que se reproduz, referindo a impossibilidade de fazer o registo, pois já havia passado a data de funcionamento do carimbo. A razão apresentada é válida e não admite discussão.
Outra, o carimbo comemorativo da FILMOBIDOS'97, de Óbidos, 97/05/22. Pedido atempadamente, o Registo foi realizado em 97/06/23, mais de um mês depois do funcionamento do carimbo, sendo a data legÍvel na etiqueta e na marca-de-dia de chegada… Uma realização não admÍssivel do (ir)responsável da Estação de Correios de Óbidos. é uma peça sem interesse para qualquer colecção.
Tanto um caso como outro são rarÍssimos.
Aqui fica o alerta. Porque é importante para a boa validade e credibilidade das peças que estejam feitas, de preferência, no próprio dia de funcionamento do carimbo (especialmente se a etiqueta é de máquina e tem a data), ou, no máximo, um ou dois dias depois (se com etiqueta manuscrita). Isto, prevendo o eventual não suficiente apoio logÍstico (atrasos no transporte do correio ou, o que também acontece, o noticiário filatélico do carimbo ser recebido nas vésperas do seu funcionamento).

in Cábula Filatélica nº 15


Página Principal | Atividades | Links

Copyright © 1999-2017 J. Cura, Secção Filatélica da AAC - Portugal
TODOS OS DIREITOS RESERVADOS.

[Voltar]
Última atualização: 09/02/2008