A MARCOFILIA COMEMORATIVA

António Perestelo Cavaco

[...]

Como sabemos qualquer carimbo comemorativo (e não só...), para cumprir a sua função, deve ser aposto sobre o selo. Portanto, quando pretendemos um carimbo comemorativo - ao fim ao cabo, uma peça filatélica - devemos apôr o carimbo sobre o selo. Em principio esse selo deve franquiar um sobrescrito comemorativo, normalmente editado pelas Comissões organizadoras dos certames. Por vezes nem sempre os há, podendo então o selo e carimbo ser apostos em sobrescritos que de alguma maneira estejam ligados ao acontecimento, ou em ultimo caso, num sobrescrito normal.

Ate aqui parece-me que todos estamos de acordo. Surge-nos então o problema; qual o selo com que devemos franquiar o sobrescrito? Temos varias hipóteses que em seguida passo a expor:

1) - Sobrescrito comemorativo, franquiado com um seio alusivo ao acontecimento, sendo de taxa igual ou superior a 5$OO (taxa mínima de circulação)

- Na minha opinião, parece-me talvez que deveria ser assim que o coleccionismo de carimbos comemorativos estaria correcto, ou que seria mais aconselhável. Poderia-mos fazer o registo do sobrescrito, provando efectivamente que a peça circulou, com selos alusivos ao acontecimento, mas acabaria por se tornar muito oneroso.

2) - Sobrescrito comemorativo, franquiado com selo alusivo ao acontecimento, sendo de taxa inferior a 5$OO.

- Parece-me que este caso ira cair no anterior, pois poderemos franquiar o sobrescrito com mais de um selo.

3) - Sobrescrito comemorativo, franquiado com taxa qualquer.

- Neste caso, e uma vez que não existe nenhum selo, que de uma ou outra maneira, seja alusivo ao acontecimento, penso que devemos franquiar o sobrescrito com um selo de emissão comemorativo, mas de taxa igual ou superior a 5$00 (taxa mínima de circulação).

As hipóteses que levantei, são algumas que poderemos pôr, pois haverá muitas mais combinações possíveis - selo/carimbo/sobrescrito, que poderíamos analisar, mas que não me parecem virem ilustrar ou responder à nossa pergunta inicial.

Muitos de nós, poderemos levantar o problema, de que no coleccionismo de carimbos comemorativos, o que está em jogo são os carimbos e não os selos, podendo portanto estes serem apostos em qualquer selo, inclusive num selo de $50. Como o carimbo, para cumprir a sua função terá de ser aposto sobre um selo, parece-me pois que então devemos ver qual o selo que mais se ajusta ao acontecimento.

Não somos jurados para classificar se um sobrescrito com selo alusivo ao acontecimento do carimbo terá mais valor como peça filatélica do que um outro com selo de $50, mas parece-me que a 1ª solução se ajusta ou estará mais de acordo com o pretendido, apesar do que estar em causa ser, o carimbo comemorativo.

Penso, pois que o coleccionismo de sobrescritos comemorativos, devera ser feito, conforme o, exposto em 1). Mas poderemos conseguir sempre peças filatélicas daquela natureza? É extremamente difícil consegui-lo, a não ser que estejamos presentes em cada acontecimento, o que tornaria a nossa colecção muito onerosa e dispendiosa.

Todos nós sabemos que os postos temporários dos CTT, que se deslocam para os locais dos certames, não possuem, geralmente, selos de emissões comemorativos conforme seria de desejar, mas sim selos de emissões ordinárias.

Podemos então verificar, que senão houver uma estreita colaboração dos funcionários dos CTT e das Comissões Organizadoras, se tornará um tanto difícil coleccionar convenientemente sobrescritos comemorativos.

Deixo-vos, pois, algumas considerações sobre este assunto, que talvez sirvam para esclarecimento de algum coleccionador.

in Cábula Filatélica nº 2 - Junho 1982

 


Página Principal | Atividades | Coimbra | Links

Copyright © 1999-2017 J. Cura, Secção Filatélica da AAC - Portugal
TODOS OS DIREITOS RESERVADOS.

[Voltar]
Última atualização: 22/08/2009